21 de ago de 2008

There's no place like home

26/06/2008

Esses intercâmbios...

É uma mistura de saudade, alívio, felicidade, tristeza.
O aeroporto tem um clima bem variado. Entre choros e sorrisos exuberantes, encontramos de tudo. Tanta gente diferente passa por ali todos os dias. Eu gosto do local e, ao mesmo tempo, acho tão estranho. Tudo te passa uma sensação de idas e vindas. É muito confuso. Principalmente quando você vai muitas vezes. Ali, os sentimentos oscilam toda hora. Um dia chora por ver alguém querido ir embora. No outro, você espera com uma expectativa inexplicável outro alguém!
Engraçado, que, enquanto você está lá, sentada, conversando, esperando a hora do vôo da pessoa, não te cai a fixa. E quando ela está na frente do portão de embarque, quase indo, dá um desespero. Dá uma vontade de sair correndo, de trazê-la de volta. Aí sim, se foi. Boa sorte! Os pais choram, namorados, amigos... Você se toca do que aconteceu, dá uma tristeza, um aperto no coração. Cai em prantos. Por que tem que ser assim? Mas ela volta rápido, eu sei. O tempo passa... Passa tão devagar.
Carro. Caminho imenso de volta pra casa. "O aeroporto é muito longe!" Pensamentos lá. Será que ela vai gostar? Só em pensar que daqui a alguns dias eu vou ter que voltar lá naquela confusão de sentimentos e sentir tudo de novo... Mas passa rápido. Não, eu sei que não passa. Eu sei que vou morrer de saudade.

E tudo outra vez. UM SACO! Conversa. Embarque. Choro. Aflição. "APROVEITA!". Saudade. Carro, caminho chato!

MINHA NOSSA! Como passou rápido. Já passaram cinco meses desde o primeiro. Uma voltou! Adoro essa volta! Mas tá, aeroporto de novo. Plaquinhas e mais plaquinhas. "BEM-VINDA!". E aqueles seguranças? Ah, Henry Castelli todo disfarçado. Ela aparece, dá aquele "tchauzinho". "PAAAAAAAT!" E a demora pra pegar a mala? Ansiedade? Nada, só MUITO! Ela tá vindo! Abraços e mais abraços. Muito bom matar as saudades. AQUELE almoço regional, que toda "comedora-de-arroz-com-água-e-sal" merece: Uma delícia! E aí as histórias... Irlanda, Inglaterra, Escócia, França... "Minha casa, meu quarto." Nada melhor do que voltar pra casa!

A espera da outra... Ida de mais outra. Aeroporto, aeroporto, aeroporto. E a saudade persiste.
Umas vão, voltam. Outras vão, ficam. Difícil conviver com isso.
"Mas as coisas findas, muito mais que lindas, essas ficarão." Drummond

2 comentários:

Helena Ferraz disse...

"O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso, existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis." Fernando Pessoa

pat disse...

que chique a minha volta marcada no teu blog! =) eu tava aqui, como quem não quer nada, passando a página se ler de verdadea as coisas e do nada um "PAAAAT". Amei! adorei o texto! beijooo